quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

JOGOS BOÇAIS XI – EPISÓDIO 1

Numa primeira impressão, essa sequência de "Jogos Boçais"
mais parecia uma releitura do seriado "Friends"

Bonisaw escolheu 17 vítimas para essa sequência. Aparentemente, não parece haver nada de tão especial nelas. Há quem diga que é o elenco mais feio de toda a série. Há quem diga que é o elenco mais xarope. De fato, a prévia não cativou os apreensivos fãs dessa saga.

É impressionante como suas vítimas ficam empolgadas ao serem escolhidas. Sim, Bonisaw prioriza, na primeira oportunidade, o glamour de um hotel de luxo, e uma estrutura hollywoodiana que iludiria até os adeptos do “voto de pobreza” (que, nem de longe, é o perfil dos boçais participantes dos Jogos Boçais).

Antes de serem levados ao Albergue, que continua situado em Projack City, eles foram divididos em quatro grupos, definidos por cores. Cada grupo é obrigado a usar um lenço, da cor de seu respectivo grupo. É como um sistema de castas, que só serve para fazer os trouxas acreditarem que os Jogos Boçais são jogados em equipe. Mentira! Não é segredo nenhum que, no final, só existirá um vencedor e, a maioria deles serve apenas de escada para os protagonistas.

O início do filme deixa a desejar. Dezessete vítimas entram na casa deslumbradas. Acreditam que estão realizando o sonho de suas vidas, e não escondem o encantamento com aquela casa. Num primeiro momento, cada um deles tenta se sobressair perante os demais, em uma espécie de disputa pela atenção de quem os observa.

Bonisaw não se incomoda com isso. Ele até prefere ver a alegria estampada no rosto de suas vítimas, antes das mesmas serem submetidas aos tradicionais questionamentos. E às tradicionais crueldades.

Na primeira atividade dos Jogos Boçais XI, eles deveriam eleger, numa votação aberta, a pessoa que seria executada sumariamente. Embora esse tipo de decisão sempre tenha sido papel do público observador, as vítimas acreditaram nessa hipótese e apresentaram indícios de sadismo. Trouxas! Muitos decidiram seguir o voto dos outros, para se defender e, de quebra, justificar sua decisão.  A mais votada foi Micherguy. Porém, para a gargalhada diabólica de Bonisaw, na verdade, a pessoa mais votada teria sua vida “poupada” na primeira semana. Pegadinha do Mallandro!

Foi dada a largada. Surgiram insanas desconfianças e patéticos inconformismos. A casa parecia estar prestes a pegar fogo. Mas tudo não passou de alarme falso. As vítimas continuavam ignorando toda a boçalidade do jogo e se sentiam em uma colônia de férias.

Um fato curioso é que o galã Cristiânus, incumbido de ser o “Líder” da semana, cogitou a hipótese de decidir sua escolha num jogo de palitinhos, ignorando toda a seriedade (?) do jogo. Dizem as más línguas que Bonisaw detestou essa ideia, e desejou, por um segundo, a morte do rapaz. Mas foi só ele tirar a camisa outra vez para Bonisaw mudar de ideia.

Bonisaw ainda nomeou, na surdina, Podrigão para um papel simples: prejudicar seu grupo em troca de grana. Era o chamado “Sabotador”. Adivinhe o que aconteceu? Ele sabotou seu grupo na tradicional Prova da Comida, e ninguém percebeu. A grana foi depositada na conta dele. Mais uma vez, nada parecia ter acontecido com os confinados, que pareciam se divertir como nunca.

Ariadnada, na visão de quem assistia a esta temporada, guardava um segredo dos mais preciosos. Mas não era nada sobre o jogo. Era sobre ela. Comentava-se que a moça, na verdade, era uma transexual, e que sua revelação iria trazer reviravoltas nos próximos episódios. Mas não foi bem assim.

Foi lhe dada a opção de revelar o segredo ou não. Sob pressão, ela até revelou o segredo para Lucivai, e Dandoel, que viviam interrogando a moça, e exigindo resposta, como se não tivessem nada de revelador para compartilhar. Mas isso não foi o suficiente: devido o seu silêncio, a moça foi a primeira pessoa a ser executada, só revelando seu segredo minutos antes de morrer.

PS: Há quem diga que a saída desse polêmico personagem foi resultante de pressões oriundas da Associação dos Roteiristas Renomados, Observadores da Moral e dos Bons Atos e Costumes Unidos (ARROMBACU).

Nenhum comentário:

Postar um comentário